por Marcia David Poeta

26.7.12





Estou escrevendo uma Ode.
Sob a batuta do poeta,
tenho licença para dizer o que eu quiser.
Sem boca, sem prata, sem jeito.
Heróica.
Só no teu peito, acho um ombro.
Acho um abrigo.



11.7.12

Namorada



É que me rodeia o teu pensar.
Me atiça os pelos, os seios, a pele.
Curvo-me ao teu redor.

E o querer-te, que tudo ilumina.
É brando, doce, leve.



*será publicado no Livro da Tribo 2013

9.7.12

Fera... Mansa...





Aguça o curioso pernas que se cruzam
Sobre o sofá.
E a mansa fera doida te abocanha.
Deixa de ser mansa.
Deixa de ser fera.