por Marcia David Poeta

25.9.13

Sutil

À noite fico encantada
com suas sombras.
Deslizam pelo quarto,
pelos meus cabelos.
Olho de lado e percebo
sua boca.
Olho adiante e te vejo
sair detrás das cortinas.
Lilás, pelo vento, ardil.

23.9.13

Barco


E se eu sentar no seu barco nua da vida,
Esfrega no meu rosto a sua pele salgada.
Não me atire n'água. Não me afogue os beijos.
Me deixa adernar. Balançar de enjôo.
Prometo te observar com olhos de maré.
Navega por mim. Me leva daqui.


2.9.13


De novo recolho os pedaços.
Agora mais partes de mim.
Guardo o que poderíamos ter sido.
O que já fomos e os sorrisos.
Transformo tudo num sonho adormecido.
Que nunca será.
Nunca acordará.



Diferente


Não quero me esconder na sua casa.
Quero ser parte do mundo.
Não há o que me tenha com mais ardor
Do que vida de sorrir e sonhar.
Me encantar com os olhos de boneca que me refletem num brilho. 
Um relâmpago. 
Um trovão nos meus braços. 
De prazer e amor.
O que não esqueço?
Não esqueço.
Nunca passou.
Ficou guardado.
Aos pedaços.
Quebrado. 
Você por inteiro dentro de mim.