por Marcia David Poeta

2.10.13

Olhar

E se o que vejo são olhos de mistério?
Delírio, dança e desejo. 
E se sou poeta posso ver mais distante.
Água da sua fonte. 
Olhar de longe o que sinto tão dentro.
Avesso, reverso, intenso. 
Não repara no seu nome?
Busca na tela do artista 
O retrato do que seja.
Sentidos, semblantes, sentimentos.
Flutuo na sua íris. 
Afundo no horizonte antes de dormir.
Olhar em direção diversa.
Me segue, cerca e abraça.
Me cega.




Nenhum comentário: