por Marcia David Poeta

6.11.14

Flor de Casamento

E eu, que nunca fui santa, apareço com um terço na mão.
Dez Ave Maria, três Pai Nosso.
E uma vela pra Santo Antônio virado de cabeça pra baixo.
Casamenteiro fajuto que me deixou plantada no altar.

E eu, que nunca fui santa, de branco e flores na mão.
Pedindo ao santo das causas impossíveis, não me deixe chorar.
Quero um amor formoso, abastado, mas humilde, companheiro.
Não precisa ser santo como eu. Santidade não faz vista a ninguém

Quero mesmo é sacanagem. E que os santos não me ouçam.
Eu quero é me casar.


17.10.14

Lua Nua

Subo e desço da Lua.
Rodo e me enredo ao redor da sua rua.
E ela flutua no espelho.
E gira mundo.
Me leva junto.
Tudo num mergulho.
Face nua que não beijo.













(As surreais e oníricas ilustrações de Christian Schloe)


6.9.14

Duendes


Eles habitam minha casa.
Enganam minha vista.
Enfeitam o jardim onde plantei mudas de folhas carmim.
Doidivanas, tropeço nos seus pés. Nada colho.



2.9.14

Miserável?

E eu te amava tão gentilmente
Que me feriu a frase torta da tua triste insanidade.
O que era doce se acabou, sucumbiu,
perdido em álibis fúteis, gestos reticentes
e sentimentos frágeis, moribundos.
Antes de teres partido, queria ter amado ainda mais gentil, pueril..
Talvez tivesse evitado a porta se abrindo,
o vento seguindo, sacudindo
e derrubando folhas de outono num inverno bem frio.
Vi um eu sozinho. Querendo o sonho, querendo a vida.
E tua condição mais meiga foi a miserável promessa.
De nunca ser, nunca estar, nunca querer...
quem dera nunca mais voltar.
Me deixar livre.
Me deixar amar em outros jardins mais férteis,
mais floridos de cores e manhãs frescas, sem dores.
Eu que nem rimava,
agora peço notas de uma melodia calma,
bem luz, versos harmoniosos, um soneto de Camões.


28.8.14

Sempre o Mar

(Foto: Marcia David)







Te Gosto (Marcia David Poeta)

Olhei pela janela e vi do que são feitos seus olhos.
Um mar de esmeraldas.
Um labirinto que me prende.
Vejo a criança, vejo a mulher, vejo o homem.
Tenho a sua diversidade marcada em mim.
Fogo que me acalma. Sede que se agrava e não durmo.
Deste tempo que não tive.
Daqui pra diante, seja o tempo que for, nem é muita coisa.
E reinvento, pelo meu querer, crio, anuncio.
Tenho liberdade poética.
Eu te entendo, você me entende.
Rimos uma da outra.

25.8.14

Sonho Surreal


Algumas das coisas mais belas que vi,
Sonhava. Perfilada pelas frestas,
Angustiava. Não podia tocar.
Só sentia cheiro.
Brotava água da língua exposta.
E o gosto do que não tocava.













(As mulheres surreais de Oleg Oprisco - fotógrafo ucraniano)

Quando a imagem é poesia

(foto: Marcia David. Tirada do terraço do Botafogo Praia Shopping - 2013)

19.8.14

Afetos

Cortina, bordados, trama. Lembranças coloridas de afetos passados. 
Desafetos do medo. Uma luz que se acende, uma delas se apaga. 
Bolhas espocam no palco e a plateia de boca aberta. 
Novos pensamentos e sentimentos recém-nascidos. 
Tudo é novo. Tudo brota. Tudo caminha.






3.8.14

Atalho


Tomo uns atalhos pela vida,
Que quando parece que achei, perdi.
Desvio dilacerado do mundo.
Agruras do amor que me arrebatam de mim



20.7.14



Teimosia.
É o prato do dia.
Quente, ralo.
Quem diria...
É o que resta.
E o mundo, o seu mundo,
Pra que presta?


15.7.14

Febre Surreal


Um sonho tão real que me queimou a pele.

Abriu portas e janelas.

Uma ventania insana

Acalmando minha febre.

pinturas surreais de Kylli Sparre feitas com fotos


16.6.14

Multicolorida














Tome nota de uma coisa.
Não criei as regras.
Não inventei um passado. Ninguém nasce desse jeito.

Escute bem, pois só vai ouvir uma vez.
O que me agride é o que te mata.
O que me ofende é o que te fere.

Eu renasço sempre que escolho.
Sempre que quero.
E quero hoje vida.
Arejada, multicor.

Sem silêncios indecisos.
Sem escolhas mal feitas.
Sem dúvidas, sem culpa.

A vida é minha orelha,
meu nariz.

11.6.14

Covardia







É a flor que não brota.
O sol por trás das nuvens.
Um rio sem veias, sem destino.

Covardia.
Um caminho sem volta.
Um dedilhar sem cordas.
Um tocar sem arrepios.

Covardia.
Mania de quem chora.

Lamenta e se esconde.
É o passar lá longe.
Sem olhar para o lado.
Sem respirar o perfume.

Covarde é alguém que não se deu.
Achando que se dar seria em vão.

Covardia é um coração que não bate.
Rebeldia que teima em não se deixar doer.
Não se permite cortar a pele.

Rasgar, gritar, adormecer.

E um covarde nunca lambe a própria ferida.
Nunca cultiva um jardim.
Não vê borboletas.
Não caça joaninhas.

Conta, medida, régua.
Estanque. Economiza até quando beija.

É frio, carcomido, doente.
Não te alisa, não te abraça.

Perde o melhor do dia.

A poesia de perder.
Recomeçar.
Ser outro, remoçado e louco.

26.5.14

A mesma poesia magra 
Que ela cantava. 
Dia, noite, tarda. 
E ela amava, atrelada ao chão. 
E eu não piso, alço em vôo, navego, 
Me derramo por nada. 

 ARTE: Thomas Barbey



2.3.14

Ideal

Sabe o que eu queria?
Te conhecer há mil anos. Recordar o que já sei.
Te reconhecer na rua e chamar por você.
Eu queria sentir seu cheiro mesmo quando você não está,
por estar na memória da saudade.
Aproveitar o espaço na cama pra saber que ali você vai estar.
Como já esteve.
Aguardar as horas que restam sem restar dúvida de que você vai chegar.
E saber que mesmo chegando vou sentir saudade
por saber que daqui pra mais tarde você vai a outro lugar.
Embrulhar seus sonhos pra presente e entregar na porta do seu dia.
Toda manhã te acordar sorrindo.
E lembrar do sorriso de resposta de ser feliz por estar,
apenas estar dentro de mim.



4.2.14

Palavra

é bem ali que moro.
nas curvas, pontos, aberrações de sentidos.
em linhas, oblíquas, retilíneas,
em voltas e vice-versa.
é sempre assim que me escondo.
entre pontos, vírgulas e parênteses.
reticente que vive e pensa
em pequenas palavras.
em versos breves.
na frase seguinte me sinto viva.
afagada pela língua do tempo.
é bem desse jeito que me movo.
enfeito páginas, rodapés e crepúsculos.
e quando me guardo,
me fecho no escuro do ócio.
revirada, destemida e largada.
na ponta da tinta,
sutil rabisco da dor.




6.1.14

Fotógrafo[go]


As fotografias me inspiram.
Guardam o momento propício da chama.
As imagens me liberam desse vício de me repetir.
Me acendem os olhos.
Arrumam a cama.
 
 

Verão Que [P]assa

É desse calor que me alimento.
Pele que arde, sal que invade.
É desse suor que me encharco.
Derrete, escorre e afoga.
Promessa de vento. Quente.
Temporal. Inunda, arremessa em brisa morna.
É isso que me segue. Tudo ferve.
Forno. Fogo. Fogueira.
Brasa, sopro e cinza.
E refaço.