por Marcia David Poeta

26.5.14

A mesma poesia magra 
Que ela cantava. 
Dia, noite, tarda. 
E ela amava, atrelada ao chão. 
E eu não piso, alço em vôo, navego, 
Me derramo por nada. 

 ARTE: Thomas Barbey