por Marcia David Poeta

16.6.14

Multicolorida














Tome nota de uma coisa.
Não criei as regras.
Não inventei um passado. Ninguém nasce desse jeito.

Escute bem, pois só vai ouvir uma vez.
O que me agride é o que te mata.
O que me ofende é o que te fere.

Eu renasço sempre que escolho.
Sempre que quero.
E quero hoje vida.
Arejada, multicor.

Sem silêncios indecisos.
Sem escolhas mal feitas.
Sem dúvidas, sem culpa.

A vida é minha orelha,
meu nariz.

Um comentário:

Lee disse...

lindo e fantástico