por Marcia David Poeta

6.11.14

Flor de Casamento

E eu, que nunca fui santa, apareço com um terço na mão.
Dez Ave Maria, três Pai Nosso.
E uma vela pra Santo Antônio virado de cabeça pra baixo.
Casamenteiro fajuto que me deixou plantada no altar.

E eu, que nunca fui santa, de branco e flores na mão.
Pedindo ao santo das causas impossíveis, não me deixe chorar.
Quero um amor formoso, abastado, mas humilde, companheiro.
Não precisa ser santo como eu. Santidade não faz vista a ninguém

Quero mesmo é sacanagem. E que os santos não me ouçam.
Eu quero é me casar.


Nenhum comentário: